Infraestrutura

Tipos de barragens e como evitar rompimentos catastróficos?


Postada em 31/01/2019 às 12:00


Definidas em função de suas formas construtivas e do material utilizado no corpo principal

 

Por Cláudia Ferreira

 

Construídas de forma natural ou artificial sobre córregos, rios ou canais, as barragens são utilizadas basicamente para o abastecimento, controle da qualidade e retenção do fluxo da água, irrigação, recreação e paisagismo, garantia mínima de vazão à jusante; navegação, agricultura, geração de energia elétrica e a contenção de rejeitos.

Mesmo feitas para exercerem diversas funções, as barragens possuem algumas finalidades únicas que variam bastante. Essas finalidades são definidas através de sua forma construtiva e do material utilizado em seu corpo principal. Conheça os tipos e saiba como evitar seu rompimento, que pode ser catastrófico para todos os seres vivos.

Barragem de terra

 

 

A de terra é a barragem mais comum no Brasil, pode ser construída com apenas um tipo de material; de terra homogênea, ou de terra zoneada, aquela que, por falta de área com material argiloso para a construção de todo o aterro, prioriza o material no centro. Caracterizada por vales muito largos e ombreiras suaves, a barragem de terra é feita em sentido, geralmente, transversal, ao fluxo de um curso d'água, de tal forma que permita a formação de um reservatório artificial.

Este reservatório terá a finalidade de acumular água ou elevar o nível do curso d'água. Quando apenas as águas das chuvas são acumuladas no reservatório, ele recebe o nome de açude; no caso dos reservatórios que têm regime normal de abastecimento (córregos, riachos ou rios) são denominados de represas. Por ser uma estrutura menos rígida, permite fundações mais deformáveis, transmitindo esforços baixos para as fundações de qualquer tipo de solo ou rocha.

Barragem de enrocamento com face de concreto

 

 

 

As barragens de enrocamento com face de concreto têm sido construídas com frequência crescente em todo mundo. Feitas com enrocamentos e placas de concreto sobre o talude de montante, deve ser dada atenção especial à ligação entre as placas de concreto, pois se apoiam em meio deformável, constituído pela camada de enrocamento que pode sofrer recalques significativos no primeiro enchimento.

As barragens de enrocamentos exigem maior atenção também com a ligação entre a face de concreto e a fundação para garantir a estanqueidade dessa região, e oferecem algumas vantagens: construção mais rápida, pois não dependem do clima, taludes mais íngremes, proporcionando menores volumes de material e maior altura da estrutura. Desvantagens: a fundação deve ser em rocha sã, pois a estrutura não pode sofrer recalques excessivos.

Barragem de contraforte

 

 

A contraforte é um tipo de barragem raramente utilizada no Brasil, e que está em queda no exterior, por conta dos tipos de gravidade aliviados. A maioria das barragens são feitas de concreto armado. A água é empurrada contra a barragem, mas os contrafortes são inflexíveis e previnem a queda da represa. As barragens de contraforte foram construídas originalmente para reter água para a irrigação ou mineração, e são uma boa escolha em vales largos onde a rocha sólida é rara.

Barragem de gravidade aliviada

 

 

 

Devido à dificuldade de se construir barragens de gravidade, as práticas atuais acabaram por optar pela construção de barragens de gravidade aliviadas. A barragem de gravidade aliviada traz economia no volume e diminuição das áreas sobre as quais pode agir a pressão intersticial.

No entanto, como o investimento nestes contrafortes é muito alto, o direcionamento destes esforços para a rocha deve ser por meio de fundações, distribuindo a carga que chega concentrada, e caso a rocha de apoio da barragem seja de boa qualidade, os contrafortes podem ser apoiados sobre radiers.

Barragem em arco

 

 

Quando a barragem for construída em um vale muito fechado, a opção mais recomendada é a barragem em arco engastado nas obreiras do vale. O desenvolvimento em arco da barragem permite o dimensionamento da estrutura como em membrana, possibilitando pormenorizar os esforços de flexão ao longo da parede. Logo, o dimensionamento é feito como estrutura em casca armada apenas a esforços de compressão; permitindo estruturas muito esbeltas.

Veja algumas vantagens: uso de menor quantidade de concreto em comparação com as demais e admitem fundações de pior qualidade em relação às barragens em contrafortes, pois a menor parte da carga é efetivamente transferida para a fundação. Desvantagens: exigem boas condições e ombreiras (geralmente em rocha), e a concretagem do arco requer tecnologia mais sofisticada de locação, fôrma, armação e aplicação.

Como evitar rompimentos?

Nenhuma barragem há risco zero de desabamento, mas todas devem ser monitoradas, de tempos em tempos, para o resto da vida. Atualmente e infelizmente, há ainda pouco investimento das empresas na contratação de mão de obra capacitada para analisar os dados, e material qualificado para mais durabilidade da barragem e segurança das famílias, animais e vegetação que vivem ao redor. Por isso, o investimento necessário em ferramentas e recursos, e a fiscalização séria e precisa, são essenciais para que estes desastres não continuem acontecendo.