Construção Sustentável: Sistema Construtivo EPS


Postada em 26/03/2018 às 09:43


Construção Sustentável: Sistema Construtivo EPS

 O post de hoje refere-se a um sistema construtivo que vem ganhando grande visibilidade dentro da construção civil: sistema construtivo com a utilização do EPS, classificado como um dos materiais mais ecológicos no mercado, tendo capacidade para atingir altas certificações ambientais para a construção civil no mundo inteiro.

Sustentabilidade

 

 Um do temas fundamentais nos dias de hoje e que tem sido cada vez mais significativo: sustentabilidade ambiental. Temos notícias a todo instante de que ações humanas mensuram e agravam os danos ambientais, causando prejuízos ou até mesmo a devastação total. A natureza por si só incumbiu de se desenvolver para assegurar a existência de todas as espécies, a sociedade por sua vez tem a missão de ser eficiente o suficiente para reparar os infortúnios promovidos. Desfrutar da sustentabilidade elimina qualquer trabalho agressivo ao meio ambiente, pois o mesmo utiliza recursos naturais para amenizar os danos causados e reverter a situação, rente a outras iniciativas, parte ou todo o dano ocasionado com o passar do tempo. É complicado ser seguro sobre todos os impactos que cada ação desenvolve, como consequência ser sustentável é uma viabilidade de poder reduzir irregularidades, de ser abortado, ou até mesmo revertido.
 A ocupação do EPS (Poliestireno Expandido) na construção civil proporciona vantagens no desenvolvimento de edificações de baixo impacto ambiental. Em tipos de construções como alvenaria e pré-moldado, que são bem comuns em edificações residenciais e comerciais, as paredes de suporte de alvenaria e os painéis de inclinação é designado para resistir a gravidade e esforços laterais.

 O SCIP (Structural Concrete Insulating Panels) é um conceito de estrutura pré-moldada de painéis que viabiliza o uso de EPS onde pode ser utilizado na edificação de paredes, telhados, lajes e pisos. Este sistema é constituído por um painel feito com estrutura de EPS (Poliestireno Expandido), envolvido por uma malha de ferro galvanizado formando um sanduíche com treliças de aço soldadas em estrutura 3D com ambos os lados do painel (modelo demonstrado na foto abaixo).
 Sendo assim este sistema se torna uma metodologia de construção sustentável. Já que, desde os tempos primordiais se faz necessário a aplicação de recursos naturais para a construção civil. Nos dias atuais, empresas, construtoras, e os órgãos públicos visão a preservação do meio ambiente, devido ao desgaste ambiental ocasionado ao longo das últimas gerações.

Estrutura do Sistema Construtivo EPS

 

 Os painéis são cobertos com argamassa projetada nos dois lados gerando um painel rígido e estrutural, com resistência superior aos métodos tradicionais de construção.
 A parede recebe duas demãos de argamassa, isso num período menos que 72h entre a primeira e última demão. Assim a parede fica acabada com 14 cm, 3 cm de argamassa de cada um dos lados.

 

 

O que torna o EPS um material sustentável?

 

 Neste caso o EPS é um material com diversas vantagens e poucas desvantagens , já que dentre muito dos diversos tipo de materiais da construção civil, uns usam muitos recursos naturais e outros menos.
 Em seu processo de desenvolvimento a expansão das pérolas de estireno não usa o gás CFC (Clorofluorcarbonetos, principal gás destruidor da camada de ozônio que resulta no aquecimento global), ou qualquer um de seus derivados e/ou substitutos.

 No lugar do CFC, entra o gás Pentano, um hidrocarboneto que na presença de reações fotoquímicas transforma-se em Dióxido de carbono e água. O material é classificado como um dos mais ecológicos e que menos compromete o meio ambiente, por conta de sua cadeia química, já que o estireno não se compõe em cloro e a relevância de Dióxido de Carbono liberado é mínima.

“Um plástico celular rígido, resultante da polimerização do estireno em água. Em seu processo produtivo não se utiliza e nunca se utilizou o gás CFC ou qualquer um de seus substitutos. EPS é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, de acordo com a Norma DIN ISSO-1043/78. No Brasil, é mais conhecido como "Isopor®", marca registrada da Knauf Isopor Ltda., e designa, comercialmente, os produtos de poliestireno expandido, comercializados por essa empresa”. (ABRAPEX, 2000)

 O desenvolvimento de materiais com base em Poliuretano (PU) e Poliestireno (OS) vem ganhando destaque na área da Construção Civil e em diversas partes do mundo. O uso desses polímeros vem substituindo outros materiais tornando-os em grandes expectativas como matéria-prima para vários tipos de materiais na indústria cívica.
 Com sua ampla flexibilidade e viabilidade, ambos os materiais são utilizados em diversos setores nas mais variadas funções, alcançando áreas que vão além da Construção Civil.

 

Metodologia

 Neste sistema é usado a tecnologia SCIP, um material de construção que utiliza os mesmo materiais de concreto e aço, mas com propriedades e resistência aprimoradas, como o EPS alocado nessa tecnologia.
No decorrer dos anos diversos testes foram feitos para que esse sistema gerasse resultados, o sistema construtivo permite que as obras atinjam qualidades muito superiores ao método convencional de construção.

“Uma casa com 100m² pode ter sua obra concluída em até 02 semanas. E se comparar com uma obra convencional, a obra fica até 20% mais barato. Outra vantagem é que a aplicação de revestimento sobre as paredes dispensa reboco, podendo ser assentada diretamente na argamassa armada”. (PRINTES, 2015)

 Há inúmeros benefícios relacionados ao sistema. É rentável, em questão de tempo e mão-de-obra eficientes e, o mais relevante, é efetivo em termos de energia. É bastante versátil e atenderá a projetos arquitetônicos criativos. Além disso, a integridade estrutural e as economias de energia do sistema de construção fornecerão vantagens a longo prazo para o proprietário, onde uma delas é a certificação LEED.
 Pode-se alegar que as medidas de sustentabilidade ambiental são necessárias, mas não somente com um investimento capital em tecnologias que viabilizam a extração e o desenvolvimento sustentável, mas também conta com atitudes sistemáticas em diversos órgãos sociais e políticos mundiais.

 

Vantagens

 Ressaltando também que um fato importante é a segurança e eficiência energética. Este sistema é imensamente versátil e corresponde a projetos arquitetônicos criativos. Em junção da integridade estrutural e as economias de energia do sistema de construção SCIP, benefícios duradouros são disponibilizados ao proprietário. Algumas de suas vantagens são:

- Edifícios estruturalmente fortes;
- Conforto térmico e acústico;
- 100% sustentável e reciclável;
- Baixa reprodução de resíduos;
- Execução em tempo menor;
- Menos mão-de-obra;
- Economia com isolamento térmico;
- Resistente a intempéries e fogo;
- Custo de manutenção menor;
- Compatibilidade com qualquer tipo de acabamento;
- Não aglomera bichos, cupim, e não gera mofo, bolor e desgaste;
- Durabilidade estimada em mais de cem anos;
- Possibilita uma flexibilidade imensa para projetos;
- Não permite passagens de ar entre paredes e telhados;
- Painéis especificamente fabricados para cada projeto;
- Efetividade no custo de ciclo de vida;
- Se adequa a conceitos de construção verde;
- Atinge pontuações máximas no USGBC LEED e entre diversas certificações sustentáveis;
- Muito utilizada nos EUA e Europa.

 

 A imposição de um modelo de desenvolvimento sustentável dentro da construção civil é o que possibilita a utilização de novos materiais que antes pareciam inadequados para esse ramo. Devido às especificações (EPS) que propicia leveza e versatilidade, são hoje aplicados desde as fundações (blocos de EPS), até a fase de acabamento (molduras EPS) de uma edificação. Até porquê, o uso do EPS propicia um barateamento no custo das obras, essa ligação ainda possibilita a preservação ambiental, através da utilização desses materiais na construção civil amenizando assim o percentual de materiais inutilizáveis.