Telhados e sua contrariedades: veja quais são e por que ocorrem.


Postada em 08/03/2018 às 17:12


Telhados e sua contrariedades: veja quais são e por que ocorrem.

 Pequenas falhas no projeto ou na aplicação de telhados podem causar enormes transtornos para toda a obra. Entupimento de calhas, penetração de água, condutores, transbordamento, envelhecimento das telhas e danos causados pelas ações do vento, são alguns dos problemas mais despretensiosos que podem vir a acontecer.

  Inúmeras obras sofrem com essas indagações, que é demonstrado pela má-formação de profissionais que atuam na área da construção civil.

 Poder contar só com a prática nem sempre é o bastante. De tempo em tempo, acontece fenômenos naturais que provocam fortes chuvas e ventos. Lembrando que ventanias tem potencial de levantar todo o telhado.

 

 

Ação do vento

  Passando acima da construção, o vento exerce duas forças, uma para baixo e outra para cima. A força exercida para baixo, normalmente causa danos em telhas grandes, como o modelo trapezoidal, as metálicas, que por fim acabam tortas e mais fundas. De outro lado temos a força exercida para cima, denominada de sucção, é muitas vezes desconsiderada e esquecida. O vento puxa o telhado para cima com uma força de 30 kgf (quilograma-força), força causada com ordem de 30 kg/m², pressão a cada metro quadrado.

  Telhados compostos por telhas maciças, como por exemplo as de barro, cerâmica e cimento, o vento não conseguirá levantá-lo caso seu peso total seja em torno de 120kgf. Se forem mais leves, como as de fibrocimento, seu peso médio é de 23 kgf, o que a sucção causará a extração do telhado. As menos indicadas são as super-leves, de plástico ou alumínio, com peso que chega a 15 kgf, e qualquer vento pode estragá-lo. É recomendável que tanto as mais leves quanto as mais pesadas, sejam tomados os devidos cuidados para que fiquem firmemente fixadas.

  O que pode aumentar significativamente a pressão exercida não só sobre os telhados, mas também como toda a construção, é a localização da obra, que pode interferir na força dos ventos, já que morros ou prédios altos canalizam o vento.

Vazamentos de água.

  É normal dizerem que o telhado está "vazando" água, porém, este termo é usado de forma imprópria. O que ocorre na verdade é transbordamento da água, já que vazamento ocorre em tubulações hidráulicas. Tal situação é causado pelo dimensionamento inadequado da calha, e sendo ela pequena, não fornecerá vazão ao grande volume acumulado em temporais.

  Outra situação pode se suceder em telhados que foram aplicados de forma correta, mas que apresentam problemas devido a alterações na vizinhança. A chuva e vento quando combinados, faz com que a água escorra pelas paredes do novo empreendimento e caia na calha da construção mais antiga. Isto é, quando se constrói na divisa no terreno e, do outro lado, levantam um prédio alto. Fazendo com que o volume de água sobre o telhado aumente e fique acima do que foi calculado no início, ocasionando o transbordamento.

 

 

Desgaste

 O que estimula-se na verdade é o envelhecimento do material, por não estarem submetidas ao tráfego de pessoas ou veículos, as telhas não recebem atrito mecânico, sendo assim não sofre desgaste. A matéria-prima que pode vir a envelhecer mais rápido é o plástico, já as de barro, fibrocimento ou cimento não sofrem com as ações do tempo.

 

Infiltração

 As reações da chuva nem sempre é a mesma, além da intensidade, o sentido da queda varia de acordo com a ação do vento. A água de chuva pode infiltrar-se, pelas frestas entre telhas; entre a telha e a cumeeira; e entre telha e calhas. As infiltrações surgem, sobretudo, devido à má vedação. Pois qualquer espaço, por menor que seja, está submetido às penetrações.

 Em casos de telhas com pouca declividade a chuva desenvolve pequenas poças acima da cobertura e o vento pode vir a espalhar a água, deixando que entre pelo encaixe das telhas ou transbordando por cima do ressalto.

 

 

Impermeabilização

 Temos visto telhados impermeabilizados com manta asfáltica. Uma solução que pode acabar com as penetrações de água, mas que agrava o arejamento do sótão. Sendo encaixadas uma sobre a outra, as telhas conservam pequena fresta onde pode entrar e sair vento. Nessa circulação, o ar carrega para fora o calor que se forma no ambiente mais próximo da cobertura.

Entupimento de Calhas ou Condutores

  As possibilidades de entupimento, aumentam devido a quantidade de água que há no telhado, causando o acúmulo de objetos. Em certas eventualidades, pode acontecer de um vizinho de edificação alta, jogar embalagens pela janela, e o mesmo se alojar sobre construções menores.

  Há quem desconsidere a limpeza de calhas, o que é defectível. A limpeza é algo essencial, protegendo a construção, estendendo o prazo, e impedindo o entupimento de calhas e condutores.

 

 

Dica

  Não  sei se vocês já ouviram falar, mas a Geocontract dispõe de um produto chamado Enduris 3502. É um revestimento líquido para telhados, 100% de silicone, baixo VOC (componentes orgânicos voláteis), com alto teor de sólidos, aplicado em uma única demão. Enquanto o uso de primer não é necessário, um bloqueador de exsudação asfáltica pode auxiliar na economia de energia e um agente limpante de EPDM (borracha de etileno-propileno-dieno) pode ajudar a melhorar a adesão.

 

 O silicone permanece estável, flexível e praticamente não é afetado por temperaturas extremas, sejam elas diárias ou sazonais. Com isso, não se torna quebradiço ou endurece com a idade do sistema. O sistema GE Enduris fornece excepcional desempenho a longo prazo.

Água empoçada

 Enquanto os revestimentos acrílicos tendem a falhar nas emendas, fissuras e arestas, especialmente onde houver  água represada, os revestimentos Enduris são resistentes à lâmina de água.

 

Custo do ciclo de vida

 A aplicação de uma demão, sem primer, traz eficiência e economia de custos para o processo de aplicação. A longa durabilidade promove um custo total do ciclo de vida mais baixo.

 

Economia de energia

 A economia de energia em comparação a um telhado preto, no verão, pode alcançar 35% dos custos de resfriamento. Os revestimentos GE Enduris*oferecem excelente retenção de cor e refletividade com um polímero de silicone que é estável a UV.

 

Compatibilidade total

 Usando somente componentes 100% de silicone, quimicamente e adesivamente compatíveis, Enduris ajuda a evitar vazamentos, mofo, bolor, podridão da madeira e ferrugem do metal.

 

O melhor alongamento

 Ao permanecer flexível às temperaturas diárias e sazonais ao longo da vida do edifício, este sistema oferece o melhor alongamento, tanto no início do uso quanto depois de décadas de exposição.

 

 

Referência: www.aecweb.com.br

                   www.geocontract.com.br